sábado, 1 de fevereiro de 2014

Pequenas doses de alcoolismo

A primeira vez que me embebedei foi com 2 copos de vinho. Tava amargurada porque tinha tomado o segundo bolo do mesmo cara e eu resolvi que ia beber. Nunca tinha bebido. Saí a pé com umas amigas, fomos ao micro shopping e eu fui até a churrascaria e pedi um copo. Bebi e tava de boas. Pedi o segundo. Não sabia beber né, bebi como se tivesse bebendo água. De repente me subiu um calor, uma palpitação e eu achei que fosse morrer. Pedi pra sair do shopping e andar na rua, pensando que se pelo menos me desse um treco eu não passaria vergonha no meio de todo mundo.

***

Estava tudo certo para aquele show de reggae (sim, eu curtia) que ia ter num barzinho. Eu estava trabalhando até as 22h (um beijo, comércio!) e ia descer direto pra lá. Ainda não tinha carta. Meu irmão passou da loja e descemos pra encontrar uma amiga lá. Quando chegamos, tinham uns amigos do meu irmão bebendo vodka com fanta na frente do bar. Mas assim: 1 garrafa 2l com 5 dedos fechados de fanta e o restante de vodka. E enchi o cu de vodka com fanta. Quando a bilheteria abriu, já estávamos trêbados. Entramos e rolava uma música enquanto a banda não entrava. Meu irmão e eu começamos a passar mal. E corremos, um pra cada banheiro. Então eu fiquei lá, viajando sentada no banquinho do banheiro enquanto as meninas lotavam o pequeno espaço. Até a minha primeira gorfada. Todas elas se amontoaram do lado oposto ao meu e me olhavam com cara de nojo. Apenas uma alma boa me levou até a pia pra jogar água na minha nuca. Saí do banheiro e meu irmão estava me esperando com cara de quem também tinha vomitado as tripas e pediu pra irmos embora. Foi uma cena linda, os dois irmãos bêbados escorando um no outro.

***

Carnaval. E mais uma vez, a vodka me fazendo sua vítima. Dessa vez com coca cola. Essa eu não lembro bem como foi. Só sei o que me contaram. Que eu tava com um peguete felizona, dançando e bebendo. Que eu sumi e minha amiga me achou no banheiro vomitando, e só me achou porque eu abri a ponta num solavanco e caí de costas. Que me levaram pra ambulância pra ver se eu tomava glicose, e quando a moça disse que ia me levar pro hospital, eu fiz um escândalo e saí correndo. E depois eu sentei numa mesinha com o peguete, debrucei a cabeça nos braços e....vomitei de novo.

***

Era pra ser um churrasco entre amigos. Mais um do qual eu não lembro do final. Mas foi só com cerveja. A certa altura do churrasco eu saí do corpo e dei lugar à personagem. Disseram que eu falava mole e desafinada, que eu ria descontrolada por qualquer coisa, que eu fui atrás de um carinha (que era minha paixão platônica) no banheiro, dormi na mesa e vomitei dormindo. E que, não estando contente, derrubei toda a carne no chão quando acordei assustada por ter vomitado. Mas o fim da noite foi eu apanhando da minha mãe pelada no banheiro. Com 23 anos.

***

Já na era pós Melengue, a primeira das piores foi essa.

***

Aniversário do Melengue. Foi um dia corrido porque tava tudo pronto quando o tempo virou de uma vez e começou a chover. E foi um tal de corre com churrasqueira pra cá, mesa pra lá, amontoa o povo e o no meio disso a cerveja foi sem perceber. Bebi o dia inteiro, mas achei que tava bem, mesmo falando um monte de abobrinha mole. Da hora de ir embora pra frente, eu não lembro muito bem. Só lembro que saí com a moto e ela praticamente me trouxe pra casa. Parei no semáforo e fiquei viajando com ele aberto até que um carro atrás de mim buzinou pra ver se eu acordava. Acordei no outro dia e vi que tava tudo normal. Porque é assim: quando eu não lembro muito como cheguei, eu checo tudo que eu fiz. Eu tinha colocado trocado de roupa pra dormir, eu não esqueci o celular, nem a minha blusa, abri o portão com a chave, então ok, tava bêbada, mas tava consciente.

***

E, finalmente, ano novo. Virada 2013/2014. Mais uma vez, a vodka. Dessa vez com suco Del Valle, depois com energético, e no fim, quando a dignidade já foi embora, com guaraná Poty. Dessa vez eu tava bem, juro. Bebendo com a prima e o primo do Melengue, até que conseguimos convencer ele a nos levar até o lago da prefeitura, onde teve a versão jaboticabalense do "Show da Virada". Mas já não tava tendo mais nada, então ficamos lá curtindo o ventinho fresco das 3h da manhã. E, de novo, acordei na minha cama. Pelada. Com a luz acesa. Ou seja, alerta vermelho. Fiquei tentando lembrar o que eu tinha feito e nada, só coisas que eu não sabia se eram fatos ou se eu tinha sonhado. Fui levantar, o estômago revirou. Voei pro banheiro pra vomitar. Não lembrava de nada do lago pra frente. Fiquei aflita porque nessas horas eu penso que eu posso ter feito tudo né, até dançar pelada em cima da mesa. Quando Melengue chegou, me disse que o que me fez sair do corpo foi quando eu comecei a virar estrelinha na grama do lago, que eu dei trabalho, que eu só falava bosta e que não queria ir embora, mesmo sendo 5h da manhã. Passei o dia 1º inteiro vomitando e dormindo, mas pelo menos emagreci 1kg.

Luciana, dando vexame por causa do álcool desde 1984.

20 comentários:

  1. olha, eu nem conseguiria contar quantas vezes já tomei porre e dei vexame...to aí na atividade desde 80.

    tá lindo o blog, Lu. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahah eu também perdi a conta!! Esses aí são só os piores que eu me lembro (ou que me contaram :P)

      Obrigada Ju!!! =***

      Excluir
  2. Eu sou uma vitima da vodka, da tequila, da cerveja, da cachaça, do vinho... huauhauh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amo a vodka!!! Mas tive que me separar dela.. =(

      Excluir
  3. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHHAHAHAHA

    MELHOR.POST.EVER.
    hahahahahhaha

    Queria dizer que me identifico muito com os seus porres, ri horrores das histórias (quem não bebe não tem história, né?) e que adorei a ideia de um post relembrando os grandes porres. Copiarei.

    Essa do show de reggae, tive uma parecida. Só que era Los Hermanos.

    Ai, me empolguei. Quero escrever as minhas histórias também! hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahahhahah

      Fazia tanto tempo que eu não escrevia e eu to tão sem assunto que resolvi fazer esse com os porres!
      Por mais que a gente passe vergonha, ter a história pra contar é óoootimo!!!

      Escreve sim Ana!! Eu quero ler!!

      Excluir
  4. Gente, quem nunca? Adorei o post e tbm super me identifiquei pq sempre fui das que bebe, causa (inclusive contei no grupo algumas pérolas!) e depois não lembra de nada e sai conferindo as merdas que fez (?).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vi suas pérolas no grupo Ju!!
      Não lembrar das coisas é um desespero sem tamanho, eu sempre fico na dúvida se compensa ou não saber o que eu fiz hahahahaha

      Excluir
  5. Que ótima forma de voltar a postar hahahahahahahahah

    Adorei as histórias, e fiz como a Ana: tive vontade de escrever as minhas. No entanto, não sei se lembro pra sentar e escrever, posso tentar um dia. Uma coisa interessante é que vc sempre vomita, então não deve ter ressaca no outro dia, né? ahuahuahauhuah

    ~ri litros imaginando vc apanhando da sua mãe~


    palavra que nunca ouvi na vida e nem sonhava que pudesse existir: jaboticabalense

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh Dani, escreve sim!! Gente, eu adoro ler histórias alcoólicas das pessoas, é muito engraçado!!
      E eu sempre tive a ressaca, mesmo vomitando! É horrível!!
      Nossa, foi uma surra e tanto! E minha mãe dizia que eu gritava e chorava, depois gemia e xingava, e ela descendo o couro hahahahahha

      Sim amiga, jaboticabalenses são os seres que habitam esse buraco. Muito feio.

      Excluir
    2. Como uma bebum que também quase sempre vomitava, digo: a ressaca vem para todos. Com ou sem vômito. Rico ou pobre. Jurupinga ou vinho francês.

      Excluir
    3. hahahahahah verdade absoluta Ana!!!

      Excluir
  6. Beijo Comercioooo!

    Vai pros alcoolicos anonimos menina. (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, hoje eu tô mais comportada, vá, é só de vez em quando hahahaha

      Excluir
  7. adoro esses relatos da vida, e meio que a gente pensa o que é verdade o que pode ser ficção.

    grande abraço pra vc e dias extremamente inspiradores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também adoro quando as pessoas escrevem esses pequenos relatos, é bom conhecer um pouco da vida delas!!
      Um abraço pra vc também, e obrigada!!

      Excluir
  8. Falando em porres, o meu primeiro foi um desastre! Beber é complicado pra quem sabe por em pauta tudo o que viveu. Adorei teu blog e fiquei remoendo as abas abertas pra saber de onde vinha o som de "sininho" hahaha. Beijos!

    http://blog.larissacorrea.com/

    ResponderExcluir
  9. hahahahahahaha eu adooooooro o sininho!!!
    No meu último porre, que aconteceu depois desse post, eu tava bêbada num churrasco e virei a louca dos gatos e fiquei sentada na calçada no meio deles até me atacar uma alergia colossal que me deixou com os olhos inchados e voz de traveco uaahuahuahuahau
    Que bom que gostou do blog!!! Beijo!!

    ResponderExcluir
  10. Mana vc é minha irmã gêmea idêntica kkkkk meus porre da assim mais um pouquinho terrível kkkkk só Deus na causa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geeeeente só hoje fui ver seu comentário! Desculpaaaa! Eu tô entrando tão pouco que só vi hoje porque tava relendo os posts!
      Porre bom é aquele que deixa a gente fora do ar mesmo! hahahahahah

      Excluir